Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
5/12/18 às 12h03 - Atualizado em 5/12/18 às 12h03

Escolas do Socioeducativo são premiadas no projeto Controladoria na Escola

 

Foi uma tarde de festa para os quase 2 mil alunos que participaram nesta terça-feira (4) da cerimônia de entrega do 2º Prêmio Controladoria na Escola. As 36 finalistas do projeto marcaram presença no Centro de Convenções Ulysses Guimarães. Entre eles, as escolas das Unidades de Internação Provisória (UIPSS), do Recanto das Emas (Unire) e de São Sebastião (UISS).

 

A UIPSS ficou com a 3ª colocação, na Categoria II – que contava com Escolas do Ensino Fundamental Anos Finais (6º ao 9º ano) e Ensino Médio (1º, 2º e 3º ano), incluindo a Educação de Jovens e Adultos, a Educação Especial, o Sistema Socioeducativo e as Escolas Militares.

 

A UISS ficou com a 5ª colocação. A Unire acabou em 10º. O terceiro lugar de cada categoria ganhou R$ 10 mil. As demais colocadas receberam R$ 5 mil cada uma. Os recursos devem ser usados em melhorias nas unidades.

 

O governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, compareceu à premiação e lembrou que o intuito do Controladoria na Escola é exercitar, desde cedo a cidadania. “Se temos a consciência de que é dever de todos cuidar do patrimônio público, teremos uma escola, uma cidade e um país melhor”, destacou.

 

Neste ano, o projeto recebeu 109 inscrições, o que representou um total de 4,8 mil estudantes e 280 professores.

 

 

“Alunos e professores, vocês nos fazem acreditar em uma educação de qualidade. Vocês têm um dia a dia atarefado e ainda assim se dispuseram a fazer mais”, discursou o controlador-geral, Lúcio Pinho Filho.

 

Nesta segunda edição, puderam disputar alunos do sexto ao nono anos do ensino fundamental e do ensino médio de instituições civis e militares; do quarto e do quinto anos do ensino fundamental; e os da rede Sesi.

 

Presente na solenidade, a colaboradora do governo de Brasília Márcia Rollemberg disse que o maior investimento que uma cidade pode fazer é na escola. “Acredito que este projeto é um exemplo muito concreto do que a gente pode fazer de bom: estimular a participação social e o sentimento público, de que a escola pública é compromisso de todos.”

 

Como funciona o Controladoria na Escola – Lançado em 2016, o Controladoria na Escola incentiva o engajamento de docentes e estudantes em ações cidadãs e de controle social dentro do ambiente escolar.

 

As atividades são divididas em etapas. No primeiro momento, os professores dos colégios inscritos são capacitados para orientar os alunos nas ações do projeto.

 

Na segunda fase, chamada auditoria cívica, os estudantes avaliam a unidade de ensino. Com os problemas apontados, identificam o mais importante e iniciam o desafio: buscar a solução. Eles planejam e executam, com o esforço de todos, projetos que modifiquem a realidade escolar.

 

A iniciativa começou com dez escolas em 2016. No Centro de Ensino Fundamental 404 de Samambaia, por exemplo, os estudantes fizeram uma horta.

 

Em 2017, o projeto cresceu — teve 104 unidades inscritas e envolveu cerca de 4 mil alunos e 208 professores coordenadores.

 

Ganhador no ano passado, o Centro Educacional 14 de Ceilândia criou um aplicativo para monitorar a limpeza e a conservação do patrimônio

 

*Com informações da Agência Brasília
Fotos: Andre Borges/Agência Brasília